Montar um standalone na breadboard é simples e dá pra quebrar um galho, mas quando precisamos de um Arduino em projetos mais robustos e confiáveis não dá pra contar com a sorte.

Ter todos os componentes soldados em uma placa, ao invés de apenas encaixados, pode evitar mal contato e até mesmo o desencaixe involuntário deles. Imaginem um carrinho fazendo a leitura de um terreno hostil, com muitas ondulações? É sobre isso que falo…

Arduino Standalone

Para este novo projeto vamos precisar de um pouquinho de prática com solda. Se você ainda não tem experiência com isso, recomendo a leitura deste guia em quadrinhos: Soldar é fácil.

Lista de componentes

  • 1 Chip Atmel Atmega328
  • 1 Soquete DIP de 28 pinos
  • 1 PCB com trilhas no esquema de breadboard
  • 2 Capacitores cerâmicos de 22pf
  • 1 Cristal de 16Mhz
  • 1 Resitor de 10K
  • 1 Push button
  • 1 Regulador de tensão LM7805
  • 2 Capacitores eletrolíticos de 10uf
  • Barra de pinos macho ou fêmea
  • Alguns cabinhos para conexões

+ Veja em detalhes todos eles

Ferramentas necessárias

  • Ferro de solda
  • Estanho (fio de solda)
  • Alicate de corte

Todos estes componentes podem ser encontrados em lojas nacionais sem muita dificuldade. Já a PCB com furos é um pouco mais difícil de se achar. A minha comprei na multicomercial pela loja física, não consegui encontra-lá no site, quem sabe mandando um e-mail para os caras com a referência “PP 17″? Outra opção é o Hugney do grupo arduino-brasília, ele vende vários componentes para Arduino, inclusive estas PCBs.

Soldando os componentes

A placa perfura é revertida por uma espécie de verniz, que protege o cobre dos intempéries do tempo. Este verniz impede que a solda entre em contato com o metal, então antes de soldar o componente na PCB raspe a trilha com um ferro de solda, assim:

Detalhe do verniz

Pronto, com tudo na mesa vamos soldar cada um dos componentes na placa. Acompanhe as fotos e faça um bom trabalho!

Socket

Socket soldado na placaSocket soldado na placa

Botão

Botão soldado na placaPush button soldado na placa

Cristal

Cristal soldado na placaCristal soldado na placa

Capacitores cerâmicos

Capacitores soldados na placaCapacitores soldados na placa

Resistor

Resistor soldado na placaResistor soldado na placa

Regulador de tensão

Regulador soldado na placaRegulador soldado na placa

Capacitores eletrolíticos

Capacitores soldados na placaCapacitores soldados na placa

Conectores de energia

Conectores de energia soldados na placaConectores de energia soldados na placa

Fazendo as conexões entre eles

Agora é a hora de fazer as conexões entre os componentes e o Atmega. Procure usar um padrão de cores que defina as conexões entre as trilhas positivas e negativas, por convenção: preto para negativo e vermelho para positivo. Resolvi usar o branco para o cristal, ficou legal…

Ah, não se esqueça de romper a trilha positiva que vai até o regulador. A tensão de entrada, segundo o datasheet do LM7805, pode ser de até 25 volts, por isso a necessidade de romper a trilha que cruza toda a placa. Precisamos apenas de 5 volts. Veja o detalhe na 4ª foto.

E é isso ai!

Lembre-se…

  • De consultar o pin mapping do Atmega328 para saber a referência de cada um dos seus pinos.
  • De fixar o chip no socket se orientando pela posição do cristal, a parte chanfrada do chip (geralmente há uma bolinha de marcação) deve ficar próxima dele.
  • De que você pode usar a extensão de energia (os pinos fêmea) a qualquer momento. Eles fornecem 3 conexões GND e 3 VCC estabilizados em 5 volts de acordo com nosso regulador.
  • De que para gravar um sketch no standalone, basta usar um chip FTDI.

About Isaias Coelho

Analista de Sistemas por formação e Programador de Interface por profissão, agora tô aqui escrevendo sobre Arduino...

Related Posts: